Num dia em que ficou marcado na história da política brasileira, momento em que o país e o mundo acompanhavam a tensão nacional diante da iminente prisão de um ex-presidente, professores, alunos, técnicos administrativos da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e autoridades políticas celebravam mais uma importante conquista para a educação pública superior no sul e sudeste paraense.

Nesse clima misto de comemoração, resitência e inquietação política, foi inaugurado, na tarde da última sexta-feira (6), o Galpão de Laboratórios do Instituto de Engenharias e Geociências (IGE) da Unifesspa.

Com investimentos de aproximadamente R$ 4 milhões, o prédio do galpão de laboratórios proporcionará condições físicas adequadas para o desenvolvimento das atividades práticas dos cursos de Engenharia e dos cursos de Sistemas de Informação e Geologia. São 17 laboratórios construídos no espaço, permitindo a participação ativa dos discentes em atividades experimentais, garantindo o aprimoramento do processo de ensino-aprendizagem.

O coordenador geral do DCE e estudante do curso de Ciências Sociais da Unifesspa, Igor Silva, foi o primeiro a se pronunciar na solenidade e, enquanto representante máximo da classe estudantil, falou do significado desta importante obra para o avanço da educação pública no Estado. “Parabenizo todos os estudantes, pois é um momento de alegria e de conquista que deve ser preservada para as próximas gerações. Mas, não posso deixar de externar meu sentimento de revolta pelo momento histórico de hoje, fazendo um recorte sobre esse dia triste e lamentável que só reforça a injustiça ainda forte nesse país”, declarou Igor Silva, se referindo ao fato político recente.

O professor de História, Erinaldo Cavalcanti fez um discurso contundente sobre a importância das políticas públicas para o desenvolvimento de uma sociedade. Como filho de agricultores do Nordeste, sendo o primeiro da família a conquistar o ensino superior, narrou sua própria trajetória de vida para demonstrar que, sem políticas públicas, não há vitórias sociais no país.

“Historicamente, as universidades foram criadas para atender aos filhos brancos das elites brasileiras. Mas um menino da roça sonhou, lutou e hoje é professor do magistério superior numa universidade pública. Alguém poderia dizer: Nossa, que lutador, mereceu! Mas essa leitura é apenas uma parcela da interpretação. Aquele jovem venceu porque além dos esforços pessoais havia um projeto político em andamento que criou condições para investir na educação superior e para que ela fosse ampliada, deixando de existir apenas nas capitais e grandes centros. Sem as condições políticas teria sido um esforço em vão. Não podemos permitir que retrocessos aconteçam”, finalizou o professor, emocionado e sob os aplausos da plateia.

Também discursaram em defesa do ensino público superior e destacaram os avanços da Unifesspa, o diretor do IGE, professor José de Arimatéia, o vereador Marcelo Alves, representando a Câmara Municipal de Marabá; o deputado federal Edmilson Rodrigues, os deputados estaduais Dirceu Ten Caten e Airton Faleiro; e o reitor da Unifesspa, Prof. Dr. Maurílio de Abreu Monteiro. Em seu discurso, o reitor ressaltou a importância do serviço público federal e da política para o avanço das instituições.

Reitor

“Nós estamos colocando, hoje, à disposição da sociedade 17 laboratórios, uma estrutura que é resultado do movimento de uma política que não parou e que continua. Hoje, é mais um dia de luta e resistência, e essa obra representa essa resistência. Precisamos continuar lutando e acreditando na boa política. A política e o serviço público precisam ser defendidos, esse é o caminho para mudar a nação e fazer com que pessoas pobres mudem de vida pela educação. Viva à política, viva o serviço público e vida longa à Unifesspa”, finalizou.

Ao final dos discursos, foram realizados o corte da fita e o descerramento da placa, inaugurando a nova estrutura de quase 2 mil metros quadrados, e dando início a uma nova fase de produção acadêmica e científica na Unifesspa.

“A inauguração de um prédio no interior da Amazônia destinado a atender demandas das áreas tecnológicas e de inovação, demonstra o esforço da administração superior e dos servidores da Unifesspa, em especial do IGE, para solidificar os 5 novos cursos voltados para a área de Engenharia do Instituto, além de fortalecer os demais”, afirmou o diretor do IGE, destacando a recente conquista do curso de Engenharia Química que obteve nota máxima na avaliação do MEC, ficando entre os 12 melhores do país e o curso mais bem avaliado do Norte e Nordeste.

Recém-selecionado para uma vaga de estágio numa grande empresa, ocasião em que disputou com mais de 200 candidatos da área de engenharia, o estudante Fábio Silva Lima resumiu a importância da nova estrutura para o desenvolvimento profissional dos alunos da Unifesspa. “Pra nós estudantes é o começo de uma grande história. Ter um Galpão de laboratórios como esse é fundamental para que a gente possa se qualificar cada vez mais e poder ter o contato na prática daquilo que a gente vai vivenciar no mundo do trabalho. Essa estruturação com novos e modernos equipamentos também faz com que o mercado nos veja de uma forma diferenciada”, reconheceu o estudante do curso de Engenharia Mecânica da Unifesspa. (Fonte: Ascom/Unifesspa)

 

A 3ª edição do Selo UNICEF dá início à sua primeira etapa, após o processo de adesão dos municípios, com a realização dos ciclos de capacitação para as equipes municipais. O Pará realiza sua segunda oficina, nos próximos dias 20 e 21, em Marabá (PA), para técnicos, gestores e conselheiros de Direito da Criança e do Adolescente. A adesão no estado foi de 80% dos municípios. Dessa vez, estão sendo chamados 31 municípios.

A primeira oficina foi realizada em janeiro, na capital paraense (Belém) e a segunda foi promovida no mês de fevereiro, em Santarém. O Selo UNICEF é realizado em parceria com o Governo do Estado e o Instituto Peabiru, e apoio da Prefeitura de Marabá.

Participam dessa capacitação: Abel Figueiredo, Água Azul do Norte, Anapu, Bannach, Bom Jesus do Tocantins, Brejo Grande do Araguaia, Canaã dos Carajás, Conceição do Araguaia, Cumaru do Norte, Curionópolis, Dom Eliseu, Goianésia do Pará, Itupiranga, Marabá, Nova Ipixuna, Novo Repartimento, Ourilândia do Norte, Palestina do Pará, Parauapebas, Pau D’arco, Piçarra, Redenção, Rio Maria, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, São Domingos do Araguaia, São Geraldo do Araguaia, São João do Araguaia, Tucumã, Tucuruí e Xinguara.

3ª edição

Entre os meses de junho e agosto passado, o UNICEF, em articulação com os Governos e organizações ligadas às prefeituras, mobilizou os nove Estados da Amazônia Legal, tendo conseguido a adesão de 631 municípios, de um total de 805 convidados.  Os municípios que se inscreveram assumiram o compromisso de elaborar um Plano Municipal de Ação para enfrentar os principais problemas que afetam meninos e meninas, nas áreas de saúde, educação, proteção e participação social de crianças e adolescentes.

O UNICEF, por sua vez, promove a capacitação de gestores e técnicos municipais, com o objetivo de qualificar a sua atuação nos processos de elaboração, execução, monitoramento e avaliação de políticas públicas nas áreas de saúde, educação, assistência social, comunicação, cultura, esporte e lazer.

Neste primeiro ciclo de capacitação, a oficina irá tratar dos seguintes conteúdos: como funciona o Selo UNICEF; a apresentação da Metodologia desta edição; os resultados esperados dos municípios participantes; os indicadores que serão monitorados e como os municípios serão avaliados e como deverão realizar o 1º Fórum Comunitário, etapa obrigatória na realização do Selo.

No final da edição, os inscritos serão avaliados por meio de indicadores quantitativos e qualitativos relacionados com o impacto social que o programa teve no município e com as ações estratégicas e políticas públicas desenvolvidas.

O Selo UNICEF conta ainda com as parcerias da Cemar, Celtins, Energisa, Neve, Amil e RGE.

Passam-se anos, décadas (na verdade), e a Rodovia Transamazônica (BR-230) está sempre na mesma situação em períodos chuvosos como agora. É bem verdade que não é toda estrada federal que fica precarizada, são apenas 70 km sem asfalto entre o km 112 e o município de Novo Repartimento. Parece pouco, mas passar por esse trecho no inverno amazônico é uma verdadeira odisseia.

De acordo com o caminhoneiro Wagner Borges, só estão passando caminhonetes traçadas com auxílio de jerico. Há caminhões que estão atolados há mais de uma semana na área, que é composta de vários pontos cortados. “É um atoleiro em cima do outro”, afirma, acrescentando que tem gente que está locando trator em Novo Repartimento, a 17 km do atoleiro principal, para poder seguir viagem.

De acordo com Jairo de Jesus Rabelo, chefe da unidade local do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), em Marabá, uma patrulha vem fazendo reparos desde Novo Repartimento até Marabá, mas trata-se de um trabalho demorado, porque é preciso “vencer” todos os atoleiros.

Jairo esteve lá e acompanhou parte dos serviços. Segundo ele, a situação é realmente complicada nesses 70 km de estrada de chão devido a vários fatores: “Devido ao inverno muito rigoroso, tivemos dificuldade em manter a trafegabilidade... Com os caminhões pesados de carga isso contribuiu muito para o agravamento da situação”.

A administração municipal reinaugura nos dias 8 e 9 (esta semana), respectivamente, as escolas Maria das Graças Ribeiro de Souza, situada no Bairro Bela Vista e Heloísa de Souza Castro, no Bairro Laranjeiras. Depois de ampla reforma dos estabelecimentos, que há muitos anos sofrem com o desgaste natural de suas estruturas, professores, alunos e a população em geral agradecem pelas benfeitorias.

Segundo a diretora da Escola Maria das Graças, Maira Suanze Manheze, naquele estabelecimento com nove salas de aula estudam 680 alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, duas turmas do Ensino de Jovens e Adultos (EJA) e mais um grupo de alunos do 6º ao 9º, provenientes da Escola Irmã Teodora. “A reforma elevou a autoestima dos servidores e alunos”.

A diretora afirma ainda que existiam áreas difíceis de utilizar, como um desnível elevado entre uma passarela e outra, que vez em quando causava acidente nas crianças. “A reforma deu outro aspecto, a escola está 100% nova. Até o buraco virou uma mini praça”.

Já Ivaldo Braga Batista garante que a comunidade está feliz com a reforma da escola. E isso acontece graças a nova gestão. “Aliás, é a única que vi trabalhar em Marabá”.

Por sua vez, a moradora Edejane Araújo, que tem uma filha estudando na Escola Maria das Graças, afirma que o estabelecimento escolar está bem melhor, não tem mais lama e as crianças estudam e brincam sem se machucar.

Escola Heloísa Castro – A Escola de Ensino Fundamental Heloísa de Souza Castro, é considerada um estabelecimento de grande porte, com 13 salas de aulas, onde estudam 918 alunos do 1º ao 9º ano, mais 44 alunos do Atendimento Especializado, ou seja, portadores de necessidades diversas, advindos de várias escolas. A revitalização trouxe vida nova à escola, “um sonho realizado”, como diz a diretora Rosilene Dias, referindo-se aos muitos anos que aguardava por esse acontecimento.

Conforme Janaína Moraes da Silva, moradora às proximidades da Escola Heloísa Castro, onde duas filhas estudam, aquele estabelecimento melhorou não só no aspecto físico, mas também na direção. “Este ano está tudo mais organizado, inclusive com melhor atendimento”.

Trabalhador de um lava-jato em frente, Israel Farias de Souza, disse que quando começou a trabalhar ali a Escola Heloísa Castro estava muito feia, com as paredes descascando, lâmpadas da quadra de esportes queimadas. “Agora, a escola ficou bonita”.

(Fonte: PMM)

 

A Faculdade Pitágoras chega ao município de Marabá para contribuir com a democratização do ensino superior na região. Com mais de 50 anos de tradição no setor educacional, a instituição está oferecendo cursos presenciais de graduação em Engenharia Civil, Engenharia de Produção e Engenharia Mecânica. O processo seletivo, que acontece no dia 17 de março, às 14h, está com inscrições abertas por meio do portal www.vestibularja.com.br/pitagoras, e tem oportunidades de bolsas de estudo de 100% e 50% aos primeiros colocados.

Com infraestrutura de ponta, a unidade contempla biblioteca com amplo acervo, laboratório e salas de estudo com recursos necessários para o processo de aprendizagem completo e espaço de convivência para proporcionar conforto e praticidade aos estudantes. "Nosso objetivo é contribuir com a oferta de um ensino inovador e de qualidade para a região", explica José Luis, diretor da unidade. A instituição também possui o Parcelamento Estudantil Privado (PEP), um crédito próprio com parcelas de valores acessíveis e juros zero para o aluno.

A Faculdade Pitágoras integra a Kroton, uma das maiores organizações educacionais privadas do mundo, e possui mais de 30 unidades distribuídas pelo Brasil. A chegada à Marabá reforça o compromisso do grupo em oferecer educação de excelência, desenvolvendo a empregabilidade nos alunos e contribuindo para mudar a realidade dos municípios em que está presente.

 

Serviço:

Outras informações sobre os cursos oferecidos e sobre o processo seletivo podem ser obtidas por meio do telefone (94) 99290-3936, ou diretamente na unidade, localizada na Rua Norberto de Melo 1387, Velha Marabá.

 

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) divulgou nesta segunda-feira (19) o primeiro Informe Epidemiológico de 2018 sobre os casos registrados no Pará de dengue, zika e febre chikungunya, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Até o dia 30 de janeiro deste ano foram contabilizados 28 casos de dengue, 24 de febre chikungunya e nenhum de zika. No mesmo período de 2017, foram registrados 212 casos de dengue, uma redução de 97%.

As maiores ocorrências de dengue são nos municípios de Marapanim (8), Abaetetuba (5), Marabá (3), Alenquer (2), Ananindeua (2), Palestina do Pará (2), Barcarena (1), Belém (1), Capitão Poço (1) e Marituba (1). Os municípios com maior número de casos de chikungunya são Ananindeua, Belém, Benevides, Barcarena, Jacundá e Novo Repartimento.

No período de abrangência do Informe Epidemiológico não houve registro de mortes no Estado em função dessas doenças. A Sespa continua pedindo às secretarias municipais de Saúde que informem, no período de 24 horas, a ocorrência de casos graves e mortes que podem ter sido causadas pelas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Para confirmar a causa da morte é necessária a investigação epidemiológica, com aplicação do Protocolo de Investigação de Óbito do Ministério da Saúde, que prevê exames específicos em laboratórios credenciados, como o Laboratório Central (Lacen) e o Instituto Evandro Chagas (IEC), preconizados pelo Programa Nacional de Controle da Dengue. O procedimento garante o correto encerramento de casos graves e óbitos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

As ações de combate à dengue competem aos municípios, que devem cumprir metas. Entre os procedimentos essenciais estão vistorias domiciliares por agentes de controle de endemias. Paralelamente, a Sespa faz o monitoramento dos 144 municípios, que receberam o incentivo do Ministério da Saúde para vigilância, prevenção e controle da dengue, e orienta as prefeituras sobre o uso correto de inseticidas (larvicidas e adulticidas).

Sintomas – Os vírus da dengue, chikungunya e zika são transmitidos pelo mesmo vetor, o Aedes aegypti, e provocam sintomas parecidos, como febre e dores musculares. Mas as doenças têm gravidades diferentes. A dengue é a mais perigosa, devido aos quatro sorotipos diferentes do vírus, causando febre repentina, dores musculares, falta de ar e indisposição. A forma mais grave da doença é caracterizada por hemorragias e pode levar à morte.

A chikungunya caracteriza-se principalmente pelas intensas dores nas articulações. Os sintomas duram entre 10 e 15 dias, mas as dores podem permanecer por meses, e até anos. Complicações sérias e morte são muito raras. Já a zika apresenta sintomas que se manifestam, no máximo, por sete dias.

A população também deve continuar combatendo possíveis criadouros do mosquito. Se houver dificuldade, as pessoas devem acionar os programas municipais de controle da dengue mantidos pelas prefeituras. As equipes de profissionais capacitados visitam as casas para inspecionar possíveis criadouros do mosquito, com o objetivo de eliminar os focos e orientar os moradores sobre prevenção e controle do Aedes aegypti.

(Fonte: Agência Pará)

 

Projeto eco-cultural e socioeducativo enraizado na comunidade Cabelo Seco, em Marabá, o Rios de Encontro entrou no seu 10º ano no mês de janeiro com duas semanas de conversas preliminares com parceiros potenciais na Alemanha para conseguir 40 mil placas solares solidárias, doadas por redes eco-pedagógicas europeias e no mundo. O projeto foi encabeçado pelos jovens artistas do projeto, que estão preparando para o Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA) em Brasília e sua segunda década no projeto.

De volta da Europa na semana passada, o coordenador eco-pedagógico do projeto, Dan Baron, elogiou o compromisso das redes e projetos que encontrou. "Apesar de tempestades inéditas que paralisaram os trens, passei 05 dias na cidade verde de Frankfurt, de Bonn (que inventou a placa solar) para apresentar Marabá como referência potencial na Educação pela Sustentabilidade, e de Berlin, onde encontrei a Vice Reitora da Universidade das Artes e realizei uma palestra no final de uma marcha de 35 mil ambientalistas pelo 'bem viver'."

"Escutei banqueiros, políticos, professores, artistas e empresários. Aprendi que para conseguir e proteger 40 mil placas solares solidárias, teremos de usar uma estratégia de colaboração, principalmente entre escolas em cidades gêmeas. Assim, o projeto ficará enraizado na formação de crianças e jovens que educarão suas famílias e contagiarão suas associações de moradores e espaços comunitários. Marabá precisa entender que além de economizar, energia solar abastece a qualidade de vida."

Dan Baron explica: "Milhares de placas doadas por multinacionais talvez alcançaria nossa meta mais rapidamente. Mas para gerar a consciência para proteger as placas e inspirar a busca comunitária pela justiça climática e social, que garante bem viver para todos, vamos conectar professores, alunos e famílias aqui com seus pares com professores e alunos lá fora, em troca por saberes populares. Cada escola em Marabá torna-se um laboratório vivo pela sustentabilidade integral. O curriculum inteiro passa pelas necessidades mundiais atuais de entender e cuidar da vida sustentável. Eco-pedagogia na prática!"

Vídeos dos jovens artistas de Cabelo Seco sobre sua bicirádio solar e dança-percussão afro-contemporânea sobre Amazônia em risco inspiraram a Aliança Climática consultar sua rede de 1700 membros municipais em 26 países na Europa sobre a proposta de colaboração com Marabá. Motivaram a Rede de Educação Ambiental Sustentável convidar escolas da Velha Marabá participarem virtualmente num festival de jogos solares em junho. A UNESCO-Alemanha é pronta para reconhecer Marabá como uma cidade verde exemplar, se a Prefeitura tiver a coragem e a visão de abraçar a sustentabilidade e repensar os mega-projetos planejados para a região.

"O governo Temer surpreendeu o mundo no dia 2 de janeiro", disse Dan Baron, "com a decisão inesperada de cancelar a construção de todas as hidrelétricas planejadas para Amazônia, por motivos ecológicos, sociais e financeiras. Mas a ameaçada privatização da matriz energética e dos rios no Brasil preocupa o mundo. Uma Marabá verde, 'ensolarizada' tornará cada um de nós guardião do futuro!"

 

 

Em alusão às Pessoas com Transtorno do Espectro do Autista a Promotora de Justiça da Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência de Marabá, Lilian Viana Freire, irá promover no dia 03 de abril, uma Audiência Pública com o tema “Sou Autista e Tenho Direitos”. O evento visa a garantia de direitos, a construção e implementação de Políticas Públicas voltadas a esta população. O evento será realizado no Auditório da sede das Promotorias de Justiça de Marabá, localizada na Rua das Flores s/nº, Bairro Agrópole do Incra. A partir das 13h30.

As Pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) apresentam dificuldade para interagir socialmente, bloqueio no domínio da linguagem para se comunicar, comportamento restritivo, repetitivo, hiperatividade, agressividade, ansiedade, dentre outros sintomas.

A Lei nº 12.764/2012 implementou a Política Nacional de Proteção dos direitos da pessoa com TEA, instituiu a esse grupo vários direitos, dentre eles o acesso a ações e serviços de saúde, com vistas à atenção integral às suas necessidades, à educação ao ensino profissionalizante direcionando ao mercado de trabalho e à assistência social. Ocorre que estes direitos ainda não estão devidamente positivados no Município de Marabá e são habitualmente violados. Considerando esta realidade, a Promotora de Justiça com atribuições na defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência de Marabá vem realizando várias medidas para a garantia de direito deste público. Nesse sentido, a audiência pública terá como objetivo trazer à discussão a proteção dos direitos fundamentais das pessoas com Transtorno do Espectro Autista e colocar em pauta a necessidade da implementação de políticas públicas locais voltadas a este público. O evento é direcionado à população em geral, Pessoas com Transtorno do Espectro Autista, seus familiares, representantes de órgãos públicos, ONGs e associações que atuam na defesa dos Direitos das Pessoas com o Transtorno do Espectro Autista, profissionais que atuam na área, dentre outros.

(Fonte: MPPA)

 

A subestação da Celpa em Morada Nova, distrito urbano de Marabá, foi ampliada e ganhou um novo transformador com potência de 9,4 MVA (Mega Volts Amperes), capacidade suficiente para atender cerca de 15 mil clientes da região. O transformador é o equipamento responsável por reduzir a tensão da energia que chega das usinas ou transmissoras e distribuí-la pelos circuitos elétricos até as residências. Com a instalação do transformador, a subestação está preparada para receber novos projetos que tenham maior demanda de consumo de energia. A cerimônia de inauguração será realizada nesta segunda-feira (19), às 9h, na subestação Morada Nova, que fica localizada na Rodovia BR-222, KM 15, saída para Bom Jesus do Tocantins. 

O valor investido na obra foi de aproximadamente R$1,8 mi e o equipamento vai beneficiar o Distrito de Morada Nova, Vila Km 40 e a cidade de Bom Jesus do Tocantins, com energia mais firme e de melhor qualidade, já que a tensão que chegará nas casas será mais adequada. “A população nesses locais aumentou muito nos últimos anos com a construção de novos residenciais. E para não termos problemas com a qualidade da energia levada aos moradores, foi implantado esse novo transformador. A obra durou seis meses e ele já está em operação”, explica o executivo de Manutenção da Celpa, Igor Teixeira.

Também foi instalado na subestação de Morada Nova mais um alimentador de energia, com 12 quilômetros de extensão, beneficiando a região de São Félix. Além de melhor distribuição de cargas, aumenta a possibilidade de as equipes realizarem serviços ou interligações em situações de emergência. “Agora, com o uso de dois alimentadores, é possível dividir a carga da área de São Félix e, se houver falha de um, o outro supre a necessidade, eliminando a falta de energia”, destaca o executivo.

OUTRAS MELHORIAS – Recentemente, a empresa também colocou em operação dois alimentadores de energia no município de Eldorado dos Carajás. A obra contemplou a construção de mais de 30 quilômetros de rede de distribuição, que se estende desde a subestação de Eldorado até as imediações da PA-150. A iniciativa beneficiou cerca de 7 mil famílias na região. Foram atendidas diretamente pela obra a zona rural do município, como as Vilas Novo Paraiso e Vila Gravata e os clientes rurais da BR-155 de Eldorado do Carajás, no sentido Marabá.

Em cinco anos que atua sob uma nova gestão, a Celpa já investiu cerca de R$ 350 milhões na regional Sul, que compreende municípios como Marabá, Parauapebas, Canaã dos Carajás e Tucuruí, por exemplo. Só em Marabá, o investimento foi em cerca de R$ 103 milhões. São investimentos que refletiram em ações direcionadas a manutenção da rede, expansão e melhoria do sistema, atendimento ao cliente, ações de combate a perda de energia elétrica, entre outros. Os resultados foram expressivos na missão de oferecer um serviço de qualidade à população local.

(Fonte: Celpa)

 

 

O Plano de Mobilidade Urbana de Marabá (MOB) está ganhando forma a cada dia. A Secretaria Municipal de Planejamento e Controle (Seplan) realizou a segunda reunião de Diálogos do MOB, desta vez com representantes do segmento comércio, hotéis e restaurantes. O encontro aconteceu na Associação Comercial de Marabá, ACIM.

De acordo com Mayanne Micaelli dos Santos, coordenadora do processo de elaboração do Plano de Mobilidade, a reunião teve o objetivo de dialogar com os comerciantes para mostrar a relação existente entre o Sistema de Mobilidade Urbana e o Comércio. O intuito foi de apresentar a eles a problemática enfrentada pela sociedade nos dias atuais, e assim poder traçar diretrizes capazes de trazer melhorias para a cidade”, ressaltou a coordenadora.

No encontro também foi apresentada algumas ações integradas que podem ajudar no processo, como a implementação de medidas para minimizar os impactos do Transporte de cargas, a elaboração de plano de ação para melhorias no padrão de calçadas e nos corredores de Comércio, além de ações que divulguem a Legislação Municipal, para os novos investidores.

Os componentes do Sistema de Mobilidade e Comércio são: Sistema Viário, Estacionamento, Transporte Público, Tempo de Percurso, Acessibilidade e Sistema de Logística e Transporte de Cargas.

Nesta terça-feira, (30), a Seplan deve se reunir com os segmentos acadêmicos e sociedade civil organizada. O encontro está previsto para acontecer às 14h, no Campus II da Unifesspa. Já na quarta-feira, dia 31, o diálogo pra mobilidade será com representantes de Entidades de Classe, no auditório da OAB, às 18h30.

(Fonte: PMM)

O projeto “Judiciário nas escolas: unindo forças no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher” será desenvolvido em 40 escolas de cinco bairros de Marabá e é fruto de uma parceria entre o Poder Judiciário e a Prefeitura Municipal.

Na manhã desta segunda-feira ( 5) uma cerimônia realizada no Fórum da Comarca de Marabá marcou a assinatura de um convênio e lançamento do projeto “Judiciário nas escolas: unindo forças no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher”. O projeto será desenvolvido em 40 escolas de cinco bairros de Marabá e é fruto de uma parceria entre o Poder Judiciário e a Prefeitura Municipal, por intermédio da Secretaria de Educação.

Participaram da cerimônia a desembargadora Diracy Nunes Alves, coordenadora das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça do Pará; prefeito Tião Miranda; secretário municipal de Educação, Luciano Lopes Dias; juiz Alexandre Hiroshi Arakaki, da Vara da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, entre outras autoridades. Coordenadores e orientadores pedagógicos das 40 escolas inseridas no projeto Judiciário na Escola participaram da cerimônia de lançamento nesta segunda-feira e ainda assistiram à palestra inicial proferida por técnicos do Tribunal de Justiça do Estado.

No evento, o prefeito Tião Miranda reconheceu que a chegada do projeto Judiciário na Escola será importante para Marabá, porque contribui para enfrentar um problema social grave, que é a violência contra a mulher. “Nossos professores receberão treinamento e vão contribuir para uma cultura de pacificação da família. Há muita questão cultural envolvida, por causa do machismo. É preciso combater a causa para conscientização das pessoas”, avalia o prefeito.

O secretário Luciano Lopes Dias revelou que as escolas foram escolhidas para participar do projeto por intermédio de um diálogo com o juiz Alexandre Arakaki, considerando cinco bairros com maior vulnerabilidade social. “A partir de agora, as pessoas que receberem capacitação serão multiplicadores da ideia para que possamos, com ajuda do Judiciário, frear a violência contra a mulher, um fator que causa impactos negativos na escola, prejudicando a educação das crianças. Fatores externos contribuem para piora ou melhora dos indicadores de ensino. Além de combater esse problema social grave, podemos diminuir uma situação que não favorece o ambiente escolar”, pondera o secretário.

O juiz Alexandre Arakaki ressaltou a importância do convênio e disse que ele consiste em realizar capacitação de educadores em escolas municipais para levar informações sobre prevenção, repressão e males causados pela violência doméstica, considerando os altos índices de violência que chegam à cidade.

“Toda semana precisamos conceder diversas medidas protetivas de urgência, com casos de agressão contra a mulher no âmbito doméstico e familiar. Queremos mostrar quão ruim e traumático é para a família a agressão contra a mulher. Para nós, é prazeroso saber que Marabá é o primeiro município do interior a aderir ao Judiciário na Escola, o que demonstra preocupação do gestor e comunidade de levar a informação para as escolas, alcançando educadores, pais e alunos. Parabenizo o prefeito Tião Miranda, o secretário Luciano Lopes, que se engajaram nessa luta no combate à violência efetiva contra a mulher”, disse o magistrado.

A atuação do Poder Judiciário do Pará em caráter preventivo com ações na comunidade foi um dos pontos destacados pela desembargadora Diracy Nunes Alves. “Ao Poder Judiciário, não cabe apenas mais processar, julgar e aplicar penas, mas, sobretudo, pacificar, prevenir e buscar fontes alternativas de solucionar conflitos. A parceria é um marco na busca de formação de indivíduos conscientes acerca do respeito às diferenças de gênero e a prevenção e combate à violência contra a mulher”, afirmou.

De acordo com a desembargadora Diracy Nunes Alves, a conscientização e o andamento dos processos têm papel fundamental na erradicação da violência contra a mulher.

“A conscientização atua como forma de mudança de conduta e até de cultura, pois temos uma cultura machista”, explicou, afirmando que é importante que o Judiciário dê respostas, considerando que a realização de audiências, prolações de sentenças e despachos, enfim, a movimentação processual, “são formas de dizer à sociedade que a Justiça está sendo feita, que o cidadão tem pleno acesso a ela, e ela fornece uma resposta em tempo hábil. Um crime não pode ficar sem punição, e esta é uma resposta que inibe a violência, porque a impunidade a estimula”.

Idealizada pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do CNJ, ministra Cármen Lúcia Rocha, a Campanha Justiça pela Paz em Casa conta com a parceria das varas e juizados especializados em violência doméstica para ampliar a efetividade da Lei Maria da Penha e julgar as ações penais relativas à violência de gênero.

(Fonte: Ascom-PMM)

A Prefeitura de Marabá, por meio da Secretária Municipal de Gestão Fazendária (SEGFAZ), acaba de divulgar a Portaria nº 01/2018 onde reedita a letra “b”, do Inciso II da Portaria 02/2017, que fixou o calendário fiscal dos tributos e taxas municipais, alterando-o no que tange ao vencimento de alvarás que, este ano, pode ser antecipado em duas parcelas, a pedido do contribuinte.

Segundo o titular da Segfaz, Aldo Correa Maranhão Sobrinho, a licença para o alvará de localização e funcionamento de estabelecimentos comerciais, industriais, de produção e prestação de serviços, tem o lançamento da taxa até 15 de fevereiro, com vencimento em 29 de março/2018.

No entanto, a pedido do interessado, via requerimento protocolado na Segfaz, o mesmo pode optar pelo recolhimento antecipado da referida taxa, em duas parcelas fixas, com vencimento em 28 de fevereiro e 29 de março, impreterivelmente.

Porém, o contribuinte deve observar, que os pagamentos após a data prevista serão acrescidos de juros, multa e correção monetária, de acordo com legislação em vigor.

(Fonte: PMM)

 

No Hospital Regional do Sudeste do Pará - Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá (PA), de segunda a sexta, são realizados cerca de 1.230 atendimentos no Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia. Para tornar mais amena a espera pelo exame, semanalmente, a unidade aproveita esse momento para alertar os usuários ambulatoriais sobre prevenção de doenças e hábitos saudáveis. A iniciativa faz parte do projeto ''Saúde com Educação e Humanização''. Em janeiro, os usuários foram orientados sobre os perigos da automedicação, prevenção da hanseníase e combate ao mosquito Aedes aegypti.

Orientações

Público e gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o Hospital Regional de Marabá também incentiva o autocuidado nas comunidades do entorno da unidade. Essas ações são realizadas periodicamente por meio dos projetos ''Saúde nas Escolas'' e ''Hospital Regional Amigo da Comunidade''.

De acordo com o diretor-geral do HRSP, Valdemir Girato, a promoção da saúde da população é um dos compromissos da Pró-Saúde na região. ''Além da oferta de atendimento de média e alta complexidades, a instituição também contribui para a promoção da saúde e prevenção de doenças, a fim de que as famílias tenham mais qualidade de vida e possam usufruir disso'', afirmou o gestor.